sábado, 18 de fevereiro de 2017

CETA, o TTIP disfarcado, ou a forma de rebaixar a demovracia e os Estados de direito!

Em defesa dos interesses do Povo Português e de Portugal o PCP rejeita o CETA no Parlamento Europeu



Em defesa dos interesses do Povo Português e de Portugal o PCP rejeita o CETA no Parlamento Europeu
Foi hoje aprovada no Parlamento Europeu a celebração do Acordo Económico e Comercial Global (CETA), entre a União Europeia e o Canadá, com os votos a favor dos deputados portugueses do PS, PSD, CDS-PP e MPT. Os deputados do PCP ao Parlamento Europeu votaram contra o CETA, por este ser um acordo profundamente lesivo dos interesses de Portugal.
As negociações entre a UE e o Canadá para firmar o CETA iniciaram-se em 2009 e foram marcadas por um profundo défice democrático. Numa primeira fase, a UE preparava-se para fazer entrar em vigor este acordo, na sequência de negociações opacas, de forma sub-reptícia, por via de um processo de ratificação que constituiria um desrespeito pela democracia e pela soberania dos Estados.
Após a forte expressão da rejeição deste acordo por parte de largos sectores da opinião em vários países, a UE viu-se obrigada a considerar o CETA como um acordo de natureza «mista», tendo em conta que vai muito além de uma simples pauta aduaneira, implicando por isso a sua ratificação por parte de cada um dos Estados membros, nomeadamente pelos seus parlamentos nacionais.
A Comissão Europeia pretende agora que o acordo entre em vigor de forma parcial e provisória, ou seja, sem a ratificação dos parlamentos nacionais. Alega a Comissão Europeia que só entra em vigor a parte que corresponde às denominadas «competências exclusivas» da UE e não a parte das «competências partilhadas» com os Estados. O PCP rejeita categoricamente tal propósito, na medida em que tal constituiria mais um inaceitável desrespeito pela soberania dos Estados.
A pretensão de fazer entrar em vigor o CETA, mesmo antes da sua obrigatória ratificação pelos 28 Estados-membros da UE, é uma expressão da natureza antidemocrática da UE.
O CETA tem como principal objectivo avançar ainda mais na liberalização do comércio e serviços, tentando eliminar quaisquer barreiras ao domínio das grandes multinacionais sobre as economias de Estados soberanos. O CETA é um instrumento para rebaixar os direitos sociais, laborais, ambientais e de saúde pública, para colocar os interesses das multinacionais acima dos direitos e interesses dos povos e das constituições e soberania dos Estados, representando mais um passo na escalada de liberalização do comércio mundial – com graves consequências para Portugal.
O CETA é na verdade, um TTIP disfarçado, porque cerca de 24 mil empresas dos EUA operam no Canadá. 81 por cento das companhias canadianas estão ligadas, como subsidiárias, a empresas dos EUA, e perante o impasse em torno do TTIP, o CETA será a sua porta de entrada na UE.
O PCP continuará a desenvolver a sua intervenção contra este acordo, seja no Parlamento Europeu, seja no plano nacional, e nomeadamente na Assembleia da República, onde já apresentou diversas iniciativas no sentido da rejeição deste acordo que é prejudicial para os interesses do País.
O PCP rejeita os tratados de liberalização do comércio e serviços ditados pelas transnacionais defende acordos de cooperação mutuamente vantajosos, que salvaguardem a soberania nacional, que defendam e promovam os direitos democráticos, sociais, laborais, ambientais e de saúde pública e que respondam às necessidades e interesses dos povos, nomeadamente os do povo português e de Portugal

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Continuem, João Rodrigues ( do Blog Entre as Brumas da memória)


Continuem


O bom andamento da economia britânica não está a ser fácil para o Banco de Inglaterra, que tem tido de rever constantemente as suas previsões pessimistas desde meados de 2016. Apostaram num choque que não ocorreu. Embaraçosa, realmente, foi a campanha económica contra a saída da UE à boleia do chamado projecto medo e por isso logo a seguir ao referendo defendi no Negócios que o resultado também assinalava o merecido descrédito público da economia convencional.

O embaraço alarga-se a outros defensores da integração: exibindo os hábitos pós-democráticos do consenso de Bruxelas, um distinto europeísta garantia-nos, quando foi conhecida em Novembro a primeira decisão do tribunal, que a obrigatória votação no parlamento “dificilmente não será contra o Brexit”. Não estava só no revelador desejo. Anteontem, o parlamento reconheceu naturalmente a vontade do soberano. É um bom hábito.

Por falar em bons hábitos, já que cerca 80% dos deputados trabalhistas respeitou o resultado do referendo, talvez esta seja uma boa oportunidade para o partido abandonar o meio da ponte e regressar à posição céptica em relação a uma integração anti-democrática e anti-socialista, que foi maioritariamente a sua até à derrota dos anos oitenta
 
João rodrigues ( do blog entre as brumas da memória)

sábado, 21 de janeiro de 2017

Trump no poder: Resistência na rua!

Resultado de imagem para protestos anti trump Foi logo no primeiro dia ( e até antes) que a resistência anti Trump começou. Os EUA vão ser palco de grande confrontação entre a lógica Trump  e a decência democrática.....

domingo, 1 de janeiro de 2017

2017: é tempo de de sair da pasmaceira em que estamos e Agir!

Resultado de imagem para ano novo 2017Os problemas mantêm-se neste país, não é preciso dar muitos exemplos:

- Mais de 100 mil portugueses continuam a sair do país por ano: Pois é , este hábito português não se inverteu pela conversa de "esperança" e os bla , blas, do Costa e Marcelo... As pessoas continuam a sair ( jovens, principalmente) porque ganham pouco, porque trabalham a recibos verdes, porque estão desempregados , porque há empregos de merda, etc....E 2017 tem tudo para continuar na mesma senda, apesar do bla bla oficial...

- Serviços públicos: De rastos, com a regra de saiem dois trabalhadores , entra um , não vamos a lado nenhum. Aliás com os trabalhadores da função pública com média de idades de 50 anos , é mais que tempo de fazer entrar trabalhadors jovens ( e com direitos) na FP. Precariedade: Serviços como o CNP que funcionam com pazadas de trabalhadores desempregados ( CEIs) , escolas com milhares de CEis e, contratados a 3,30h ( deve dar mesmo vontade de emigrar quem tiver este contrato) , saúde a bater no fundo como se sabe e é notícia ( faltam todo os tipos de profissionais)
A conversa do combate à precariedade é apenas retórica , é treta digamos assim.

- Oscilação entre medidas concretas e propaganda: Esta é a estratégia do Governo- valorizar as medidas concretas boas para o povo ( existem , não vale a pena negar) , mas colocar em cima muitas doses de optimismos , com o entertainer Marcelo a animar o povo, espalhando doses d alegria e festa. Mas os problemas estão lá...O país não mudou tanto assim....

- Seguro de vida de Costa e Geringonça: É Passos coelho. Só ouvi lo a falar dá vontade de rir. Aliás ouvir falar PSD e CDS dos serviços públicos com problemas chega a ser cómico, pois estes senhores foram os principais destruidores das Administração Pública.

Por isso ou os trabalhadores e o povo acordam desse "sonho" com dois entertainers e começa a mexer ou vai sentir-se um pouco frustado.... Por isso vai ser tempo de mexer!