quarta-feira, 3 de maio de 2017

PREPAV- Venha ao tribunal da precariedade e jogue o jogo da efetividade

O governo diz querer combater a precariedade, mas pouco... Nas Escolas os contratados à hora duplicaram ...Nas Autarquias e outros serviços públicos são muitos os desempregados em funções no Estado ( os CEI). Agora criou este tribunal da Precariedade , em que o Governo e Sindicatos ( de forma desigual) vão esgrimir em muitas mesas quem é quem um verdadeiro precário. De fora vão ficar muitos precários- bolseiros, ousorcings, contratdos à hora. Este PREPAV vai também servir para despedir gente, ou pelo menos para não integrar.

Virão as vozes amigas do Governo dizer: bem mas ao menos estes tratam dos precários e falam deles, bla, bla... é verdade , mas empatam muito e são muito enganadores. Está criada uma grande expectativa, veremos se não sairá uma grande desilusão. Por agora é tempo dos trabalhadores precários lutarem e denunciarem casos em que são despedidos , apesar do Governo dizer querer combater a precariedade...Talvez seja essa outra forma de combate.

sábado, 1 de abril de 2017

Montepio: Mais uma Assembleia Geral, mais uma vitória!

Resultado de imagem para montepio

Depois da Assembleia Geral do Montepio de Quinta feira, ouvi Tomás Correia falar em grande vitória, que está tudo bem , etc, bla, bla. na maioria das assembleias Gerais são trabalhadores do próprio Montepio ( chefias) , que durante assembleias a fio defendiam que não se podia falar do problema pois isso ia piorar a situação . não vale abafar. O presidente Tomás Correia é já hoje arguido num processo! Tapar o quê? os que alertaram do desastre da operação Finibanco eram os mauzões...Ou muito me engano ou há muito lixo debaixo do tapete-

Enfim é o típico discurso de fim de festa. O Montepio vai precisar de uma mãozinha da Santa Casa de Lisboa, para injectar lá dinheiro e fazer o tal banco solidário, o banco das IPSS falidas e Misericódias...De outra forma a coisa vai cair.

O que muitos não sabem é que têm as suas poupanças não no Banco ( Caixa Económica) mas sim na Mutualista e é exactamente esta situação que pode dar raia e da grossa. O dinheiro colocado na mutualidade tem que garantias? O dinheiro colocado na Caixa Económica tem garantia até 100 mil euros, em caso de implosão banco e o dinheiro colocado na mutualidade tem que garantias?

Novo Banco vendido aos abutres... que não podem vender até 3 anos...

O Novo Banco foi vendido, vendido aos abutres financeiros que o vão estraçalhar... dentro de três anos. Ora por três anos a Lone Star não pode vender o banco aos bocados.  Depois desse período banco é vendido aos bocados. Como sempre o os contribuintes são chamados a contribuir, pois a Banca ameaça não pagar ao fundo de resolução. Adeus Novo Banco, só duras mais uns anitos...


Resultado de imagem para novo banco

sábado, 18 de fevereiro de 2017

CETA, o TTIP disfarcado, ou a forma de rebaixar a demovracia e os Estados de direito!

Em defesa dos interesses do Povo Português e de Portugal o PCP rejeita o CETA no Parlamento Europeu



Em defesa dos interesses do Povo Português e de Portugal o PCP rejeita o CETA no Parlamento Europeu
Foi hoje aprovada no Parlamento Europeu a celebração do Acordo Económico e Comercial Global (CETA), entre a União Europeia e o Canadá, com os votos a favor dos deputados portugueses do PS, PSD, CDS-PP e MPT. Os deputados do PCP ao Parlamento Europeu votaram contra o CETA, por este ser um acordo profundamente lesivo dos interesses de Portugal.
As negociações entre a UE e o Canadá para firmar o CETA iniciaram-se em 2009 e foram marcadas por um profundo défice democrático. Numa primeira fase, a UE preparava-se para fazer entrar em vigor este acordo, na sequência de negociações opacas, de forma sub-reptícia, por via de um processo de ratificação que constituiria um desrespeito pela democracia e pela soberania dos Estados.
Após a forte expressão da rejeição deste acordo por parte de largos sectores da opinião em vários países, a UE viu-se obrigada a considerar o CETA como um acordo de natureza «mista», tendo em conta que vai muito além de uma simples pauta aduaneira, implicando por isso a sua ratificação por parte de cada um dos Estados membros, nomeadamente pelos seus parlamentos nacionais.
A Comissão Europeia pretende agora que o acordo entre em vigor de forma parcial e provisória, ou seja, sem a ratificação dos parlamentos nacionais. Alega a Comissão Europeia que só entra em vigor a parte que corresponde às denominadas «competências exclusivas» da UE e não a parte das «competências partilhadas» com os Estados. O PCP rejeita categoricamente tal propósito, na medida em que tal constituiria mais um inaceitável desrespeito pela soberania dos Estados.
A pretensão de fazer entrar em vigor o CETA, mesmo antes da sua obrigatória ratificação pelos 28 Estados-membros da UE, é uma expressão da natureza antidemocrática da UE.
O CETA tem como principal objectivo avançar ainda mais na liberalização do comércio e serviços, tentando eliminar quaisquer barreiras ao domínio das grandes multinacionais sobre as economias de Estados soberanos. O CETA é um instrumento para rebaixar os direitos sociais, laborais, ambientais e de saúde pública, para colocar os interesses das multinacionais acima dos direitos e interesses dos povos e das constituições e soberania dos Estados, representando mais um passo na escalada de liberalização do comércio mundial – com graves consequências para Portugal.
O CETA é na verdade, um TTIP disfarçado, porque cerca de 24 mil empresas dos EUA operam no Canadá. 81 por cento das companhias canadianas estão ligadas, como subsidiárias, a empresas dos EUA, e perante o impasse em torno do TTIP, o CETA será a sua porta de entrada na UE.
O PCP continuará a desenvolver a sua intervenção contra este acordo, seja no Parlamento Europeu, seja no plano nacional, e nomeadamente na Assembleia da República, onde já apresentou diversas iniciativas no sentido da rejeição deste acordo que é prejudicial para os interesses do País.
O PCP rejeita os tratados de liberalização do comércio e serviços ditados pelas transnacionais defende acordos de cooperação mutuamente vantajosos, que salvaguardem a soberania nacional, que defendam e promovam os direitos democráticos, sociais, laborais, ambientais e de saúde pública e que respondam às necessidades e interesses dos povos, nomeadamente os do povo português e de Portugal

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Continuem, João Rodrigues ( do Blog Entre as Brumas da memória)


Continuem


O bom andamento da economia britânica não está a ser fácil para o Banco de Inglaterra, que tem tido de rever constantemente as suas previsões pessimistas desde meados de 2016. Apostaram num choque que não ocorreu. Embaraçosa, realmente, foi a campanha económica contra a saída da UE à boleia do chamado projecto medo e por isso logo a seguir ao referendo defendi no Negócios que o resultado também assinalava o merecido descrédito público da economia convencional.

O embaraço alarga-se a outros defensores da integração: exibindo os hábitos pós-democráticos do consenso de Bruxelas, um distinto europeísta garantia-nos, quando foi conhecida em Novembro a primeira decisão do tribunal, que a obrigatória votação no parlamento “dificilmente não será contra o Brexit”. Não estava só no revelador desejo. Anteontem, o parlamento reconheceu naturalmente a vontade do soberano. É um bom hábito.

Por falar em bons hábitos, já que cerca 80% dos deputados trabalhistas respeitou o resultado do referendo, talvez esta seja uma boa oportunidade para o partido abandonar o meio da ponte e regressar à posição céptica em relação a uma integração anti-democrática e anti-socialista, que foi maioritariamente a sua até à derrota dos anos oitenta
 
João rodrigues ( do blog entre as brumas da memória)

sábado, 21 de janeiro de 2017

Trump no poder: Resistência na rua!

Resultado de imagem para protestos anti trump Foi logo no primeiro dia ( e até antes) que a resistência anti Trump começou. Os EUA vão ser palco de grande confrontação entre a lógica Trump  e a decência democrática.....