domingo, 26 de junho de 2016

Eurosão ( postado do blog Cirrus Mirror)

EUROSÃO
Desenho Original de Marco Joel santos
A Grã-Bretanha vai sair da União Europeia. As consequências, dizem, vão ser tremendas para os súbditos de Sua Majestade. Piores serão ainda para todo e qualquer estrangeiro apanhado nas ruas britânicas. A União Europeia continuará o seu caminho impávida e serena perante este pequeno revés. Os bifes é que as vão pagar.
            As reacções de um lado e outro do Canal são do mais cómico que já vi. Tendo em conta aquilo que se escreve todos os dias por aí em jornalecos, e se opina frequentemente em canais televisivos de duvidosa índole, já me ri um bom par de vezes hoje. A verdade é que fui dormir com a vitória do tá-se bem e acordei com a vitória do fuck off.
            O UK, e que bela sigla é esta, votou pela saída da EU. Note-se – VOTOU. Não foi um processo decidido por nenhum político, nem sequer pela rainha de Inglaterra. Foi decidido pelo voto do povo. Que glorioso é o sentido democrático de todos quantos acham “triste”, “racista”, “precipitada” e outras coisas até bem piores, esta decisão do povo britânico. Que lindo, sermos nós a qualificar aquilo que um povo inteiro decidiu. Que superiores somos, que moral elevada temos, quão excelsa é a nossa opinião, o quanto somos os mais sábios dos mortais! Hoje, quase toda a gente esqueceu, neste país, que mora no cu da Europa, na latrina alemã, onde os alemães só aparecem para fazer merda, e que esta Europa, que ainda ontem era um massivo directório pouco franco – muito alemão, hoje é o paraíso na Terra e que os ingleses, afinal, é que são os maus da fita. Adivinhem: provavelmente estão-se marimbando para o que deles dizem. Nós é que somos os que estão sempre preocupados com o que de nós dizem os outros no estrangeiro, não eles.
            Qual o receio dos britânicos? Voltar a tempos antigos? Ao isolacionismo proporcionado pela sua insularidade? Que a sua economia baqueie e o reino mergulhe numa crise nunca vista? Talvez. Longe vão os tempos do Império Britânico, pelo que agora são só mais um pequeno país na pontinha de um pequeno continente chamado Europa. Desenganem-se. Assim tivesse Portugal um décimo da influência britânica no Mundo… e qual o receio dos europeus, afinal? Que tenha desaparecido da EU o único país europeu que sempre pagou para a Europa mas nunca recebeu? Ou que a economia britânica baqueie e arraste parte da sua? Desenganem-se, não há economia europeia, só há economia alemã. Não perceber que o projecto europeu falhou, que aprofunda diferenças, atiça ódios, lança radicalismos e tentar agora acusar os britânicos disso não é ingénuo. É, pelo contrário, de má-fé. Falhou. Move on.
            A legitimidade da decisão, como já referi, é do povo britânico. Não de uma comissão europeia comandada por um luxemburguês despedido por corrupção constantemente em estado etilicamente debilitado, em que ninguém votou e que ninguém conhece, colocado na função por jogos de conveniência. Não foi decidido por radicais de esquerda ou de direita, pois 52% de um povo não pode ser radical. O reino votou massivamente na saída, enquanto Londres votou para manter a City a funcionar e os escoceses votaram contra os ingleses. Nada de novo, vindo do país que está de olho no petróleo do Mar do Norte, pretendendo-o como propriedade exclusiva dos seus quatro milhões de habitantes.

Cada um tem as suas razões. Quem votou pela saída não votou por ser racista ou xenófobo, pois a zona com mais imigrantes votou pela permanência. Não votou porque lhe apeteceu agora dar um piparote na política europeia. Votou porque decidiu assim, votou de acordo com aquilo que tinham e sempre tiveram no seu país e que a UE paulatinamente tem vindo a retirar – serviço universal de saúde, pensões, etc. Mas, mais que tudo o mais, VOTOU! Quando foi a última vez que vocês, tristes profetas da desgraça alheia que não olham a calamidade que se vive no vosso seio, aqui, em Portugal, quando foi essa última vez que votaram para decidir o destino do vosso triste país? Grow up!

Meu caro amigo, Chico Buarque


Unidos, Podemos: que o voto sirva para transformar!



Em Espanha, parece que os votos na Esquerdas, no dia de hoje,  dá maioria absoluta. O problema é entenderem-se essas forças, num cenário mais difícil que em Portugal ( há bem puco tempo também impensável aqui em Portugal)), porque há questão das autonomias...Terá servido para algo este acto eleitoral? Esperemos que sim, e que possa servir para medidas que revertam a austeridade em Espanha... Por cá a coisa devagar vai funcionando e há algumas medidas efectivas...Que Espanha possa seguir o mesmo caminho!

sexta-feira, 24 de junho de 2016

BREXIT: É a democracia, estúpidos

brexit

Tanta conversa e tanta lamentação por aqui até já cheira mal. Ai,ai o referendo veio em má altura, ai, ai, estão apenas a votar para sair por causa dos refugiados, etc... Cheira mal a análise caseira. Por mim tenho outra opinião: foi um acto democrático, uma decisão tão legítima como ficar. Só que esta decisão foi uma pedrada no charco. as Instituições europeias estão habituadas a democracia, desde que os resultados das eleições lhes confirmam o que eles querem. Desta vez não foi assim. Não é o fim do mundo, não é uma guerra, é apenas uma decisão democrática, coisa para o qual os ortodoxos da UE não estão preparados...

BREXIT: nem com chantagens conseguiram evitar o voto pela saída...



apesar de todas as chantagens os britanicos votaram no sentido da saída da UE...este cartaz é o exemplo do que fizeram e achincalharam os que pensavam que deveriam sair da União. No entanto relembro outras situações em que noutros referendos se foi insistindo até chegar ao resultado pretendido...Uma saída a demorar 2 a 4 anos é tempo demais... e pode servir para que o capital faça o povo mudar de ideias. Mas e se não for o fim do mundo? Aí outros quererão seguir o mesmo caminho...A ortodoxia da UE e a falta de respeito pela soberania dos povos  levou a isto....

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Jonathan Pie Referendum Special ( a pedido de um grande amigo)


A pedido de um grande amigo a viver na Inglaterra deixo vídeo do humorista Jonathan Pie, que exemplifica bem a histeria a que chegou o debate na Gra Bretanha entre sair ou não sair da UE.
Muitos argumentos de um lado e de outro são verdadeiros, mas posso estar enganado , em qualquer uma das situações " as pessoas pequenas é que ficam sempre ...fodidas"...Veremos se não será assim.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Luta dos Estivadores: tanta mentira e propaganda contra os Estivadores tem de ser contrariada

Lutam contra a implementação das novas praças de jorna, e lutam corretamente. Serão vencedores ou serão esmagados face a tanta propaganda. Estivadores maus e feios contra os patrões bonzinhos na bancarrota, é o que nos querem vender. Estivadores feios e maus a prejudicar o país, patrões bonzinhos que contratam trabalhadores à hora ( vindos do estrangeiro em semi escravatura, sabe se lá de onde...) .... Enfim , num país decente tinha de saber quem sem os trabalhadores que estão a trabalhar a substituir os do Porto de Lisboa, mas ninguém quer saber...